gota d'agua

FALTA POUCO:

OS VENCEDORES DA CHAMADA DE SOLUÇÕES DE
IMPACTO ÁGUA+ SERÃO ANUNCIADOS NO DIA 16 DE AGOSTO

ÁGUA+ ACESSO

SUA SOLUÇÃO PODE AMPLIAR O ACESSO À ÁGUA POTÁVEL PARA MILHÕES DE PESSOAS?

QUEREMOS CONHECÊ-LA!

DESAFIOS

Buscamos soluções e tecnologias que já estejam no mercado ou encontram-se em estágios finais de desenvolvimento (protótipo já validado) e que possam atender a alguns dos maiores desafios para o acesso à agua enfrentados por comunidades em todo o Brasil.

Definidos a partir de um amplo diagnóstico realizado em dezenas de comunidades no país, esses desafios são representativos por afetarem diariamente a milhões de brasileiros.

DESAFIO

1

Acesso à energia para operação de sistemas de água

Comunidades e pessoas afetadas: 77 comunidades e 20.000 pessoas na área de atuação do Projeto Saúde e Alegria (PSA)

Muitas comunidades vivem ainda hoje sem acesso contínuo à energia elétrica, ainda dependendo de geradores de diesel para a geração de energia por 2 a 4 horas por dia, energia esta necessária para o funcionamento de motores e bombas de água para captação e distribuição de água para as famílias.
Comunidades isoladas sofrem com os altos custos de diesel, com o preço final de um litro podendo chegar a R$ 7,00. Além dos custos e dificuldades logísticas, o uso de diesel é danoso ao meio ambiente pelas emissões que gera.
Em Suruacá, comunidade formada por 100 famílias onde o PSA instalou um sistema de água, um gerador a diesel é a única fonte de energia, gerando altos custos com combustível para a comunidade.
Apesar de o Projeto Saúde e Alegria já utilizar energia solar em sistemas híbridos que combinam diesel e energia solar para o acesso à água, alguns desafios ainda persistem relacionados à configuração de inversores, baterias duráveis e dimensionamento facilitado dos sistemas solares.
Para superar este desafio tão comum tanto no Norte quanto no Nordeste, buscamos soluções de energia renovável que atuem de forma individual ou combinada com outra fonte para garantir o abastecimento e reduzir custos com a operação dos sistemas de água.

Mais informações sobre este e os demais desafios estão disponíveis no Regulamento.

DESAFIO

2

Saneamento para famílias e comunidades isoladas

Comunidades e pessoas afetadas: 61 comunidades e 16.000 pessoas na área de atuação do Projeto Saúde e Alegria (PSA)

Entre todas as regiões do país, a Região Norte é a que apresenta o maior desafio em relação ao tratamento de esgoto, com apenas 8,6% da população atendida, o pior índice do Brasil, atrás do Nordeste, onde 32,11% do esgoto é tratado.
A falta de destinação correta e tratamento de esgoto compromete e polui as fontes de água em um ciclo vicioso.
Nesse contexto de comunidades com famílias dispersas, em locais de difícil acesso, muitas vezes sem acesso à energia, é enorme a demanda por soluções unifamiliares ou para comunidades formadas por 5 a 100 famílias.
Uma destas comunidades apoiadas pelo Projeto Saúde e Alegria chama-se Carão, onde 18 famílias sobrevivem da agricultura e programas de distribuição de renda. Atualmente, não possuem saneamento e usam sistema rudimentar de fossa negra.
Para que a comunidade do Carão e dezenas de outras possam superar este desafio, buscamos soluções de tratamento de esgoto sanitário desenvolvidas para atender casas individuais ou em pequenos núcleos formados por poucas moradias.

Mais informações sobre este e os demais desafios estão disponíveis no Regulamento.

DESAFIO

3

Perfuração de poços

Comunidades e pessoas afetadas: 254 comunidades e 35.000 pessoas na área de atuação da Fundação Amazonas Sustentável (FAS)

A perfuração de poços é uma atividade essencial para garantir o acesso à água e contribuem para uma melhor qualidade de vida das famílias que não precisam andar quilômetros para coletar e carregar água.
No entanto, perfurar poços de forma viável em comunidades não é uma tarefa simples dependendo das condições do solo, geografia do terreno, profundidade da fonte de água, vazão e acesso ao local. Se em comunidades do Semiárido a água pode estar a 90 metros de profundidade em terrenos rochosos, em comunidades ribeirinhas ela pode estar a 30 ou 60 metros com grandes variações entre fases de secas e cheias dos rios.
Para a implantação deste piloto em campo, a FAS selecionou a comunidade do Pagodão, localizada em uma área alta às margens do rio Negro, onde 30 famílias ainda enfrentam o desafio de poços que não funcionaram.
Para esta e outras comunidades, buscamos soluções que tornem a perfuração de poços mais simples, acessível, eficiente e eficaz, de forma a assegurar um abastecimento constante e duradouro para comunidades.

Mais informações sobre este e os demais desafios estão disponíveis no Regulamento.

DESAFIO

4

Bombeamento de água em pequenas comunidades

Comunidades e pessoas afetadas: 210 comunidades e 5.000 pessoas na área de atuação da Fundação Amazônia Sustentável

Quase metade das 581 comunidades atendidas pela FAS é composta por núcleos de até 10 famílias. Muitas delas são isoladas, não possuem acesso à rede elétrica e dependem de combustível caro e de difícil logística. 50% das comunidades ribeirinhas captam água direto do rio ou de igarapés: em baldes ou por pequenas bombas que funcionam a partir de geradores.
Na comunidade de Solimõeszinho, localizada nas margens do rio Negro, 7 famílias dependem de uma dessas bombas para a captação superficial no igarapé local.
A comunidade é altamente impactada pelo gasto de óleo diesel utilizado para a bomba funcionar, gastando mais de R$ 100 por mês com este fim. Após bombeada, a água é armazenada em um pequeno reservatório onde a cloração, quando é feita, é realizada de forma irregular.
Caso você tenha desenvolvido soluções de bombeamento e tratamento que atendam a desafios como este, de pequenas comunidades isoladas, inscreva-se!

Mais informações sobre este e os demais desafios estão disponíveis no Regulamento.

DESAFIO

5

Alta concentração de ferro e/ou manganês na água

Comunidades e pessoas afetadas: 23 comunidades e 25.000 pessoas na área de atuação da Rede Sisar/Centrais (BA)

O Semiárido brasileiro enfrenta a pior seca dos últimos 100 anos, associada a solos ricos em minerais e à presença e impacto de mineradoras.
Águas com muito ferro ou manganês apresentam coloração elevada e sabor desagradável, sendo rejeitados para consumo e provocando manchas em roupas e utensílios.
Se consumido em excesso, o ferro pode causar tontura, fadiga e dores de cabeça. Já o manganês pode acumular-se no fígado e no sistema nervoso central e provocar sintomas como rigidez muscular, tremores das mãos e fraqueza.
Ferro e manganês podem também combinar-se com matéria orgânica, formando complexos químicos de difícil tratamento, por vezes exigindo a implementação de sistemas de tratamento multiestágios capazes de lidar com cada um dos contaminantes.
Com 556 famílias, a comunidade de Genipapo, na região de Jacobina (Bahia), foi indicada pela Rede Sisar/Centrais (BA) para implantar piloto com soluções para a alta concentração de ferro. Em relação à contaminação com manganês, foram indicados 4 sistemas em comunidades que atendem, juntos, cerca de 2.300 pessoas.

Mais informações sobre este e os demais desafios estão disponíveis no Regulamento.

DESAFIO

6

Perdas no sistema devido a desvios e vazamentos

Comunidades e pessoas afetadas: 17 comunidades e 20.000 pessoas na área de atuação da Rede Sisar/Centrais (BA)

Conexões clandestinas, popularmente chamadas de jacarés na região, representam uma ameaça à gestão comunitária e ao acesso a esse direito básico.
Quase 40% da água tratada no país são perdidos por causa de vazamentos nas tubulações, ligações clandestinas, erros de medição e falhas no cadastro comercial. Isso representa 5,8 trilhões de litros de água, o suficiente para abastecer a cidade de São Paulo por 7 anos.
Além do desperdício, é importante destacar o que os sistemas deixam de arrecadar com essas perdas, inviabilizando investimentos para melhorias, manutenção e expansão dos sistemas e redes de distribuição. Uma redução de apenas 10% nas perdas agregaria R$ 1,3 bilhão à receita com a água, equivalente a 42% do investimento realizado em abastecimento de água para todo o País.
Identificar soluções para reduzir perdas e vazamentos em realidades comunitárias (de 30 a 1.000 famílias) é o foco deste desafio.

Mais informações sobre este e os demais desafios estão disponíveis no Regulamento.

DESAFIO

7

Odor e turbidez por concentração de matéria orgânica

Comunidades e pessoas afetadas: 237 comunidades e 168.000 pessoas em áreas de atuação do Sisar Ceará

O período de estiagem foi cruel com as comunidades do Semiárido, que está com muitos de seus mananciais secos ou em níveis críticos. Os açudes, por exemplo, começam a desenvolver vegetação onde antes havia água.
Com o retorno das chuvas, esse material orgânico contamina a água, deixando odor forte e a água com turbidez, o que afasta os usuários dos sistemas de abastecimento de água, levando-os a recorrer a outras fontes ou soluções inseguras ou que chegam a custar o triplo para as famílias.
Na Estação de Tratamento de Água do Sisar, localizada em Tanques – CE, um novo açude foi acionado para atender a demanda. No entanto, este tem uma alta concentração de matéria orgânica, efeito chamado de Eutrofização, o que torna muito difícil o tratamento. Buscamos soluções para este desafio com um piloto que atenderá cerca de 400 famílias e 2.000 pessoas.

Mais informações sobre este e os demais desafios estão disponíveis no Regulamento.

DESAFIO

8

Alto teor de cloretos – Água salobra

Comunidades e opessoas afetadas: 60.000 pessoas de 92 comunidades na área de atuação do Sisar Ceará

Um dos principais desafios em relação a acesso à água no Semiárido são os mananciais subterrâneos com presença elevada de cloretos (sais). Por mais que a água muitas vezes tenha uma concentração inferior a 30 gramas de sal por litro (conforme a especificação técnica de água salobra), o forte sabor chega a ser insuportável e popularmente associado a doenças como a hipertensão.
Por mais que os comunitários filtrem, coloquem na geladeira ou tentem outros truques, o gosto da água salgada permanece, fazendo com que o consumo seja reduzido e outras fontes (muitas não potáveis) sejam utilizadas ou seja necessário comprar água engarrafada.
Buscamos soluções de dessalinização de água que atendam a esta demanda tão comum em pequenas comunidades de todo o Semiárido de forma acessível e sustentável.

Mais informações sobre este e os demais desafios estão disponíveis no Regulamento.

DESAFIO

9

Dureza da água

Comunidades e pessoas afetadas: 28.000 pessoas de 45 comunidades na área de atuação do Sisar Ceará

Geralmente, a concentração de cálcio e magnésio é o que determina a dureza elevada da água. Chuveiros e tubulações entopem facilmente e a dureza da água é notável ao se beber. “Parece que botaram farinha na água”, disse o Operador da comunidade.
Se ao cavar apenas 10 cm no solo da comunidade de Serra do Vieira já se encontra calcário, na água do poço desta e de dezenas de outras comunidades não é diferente.
Sendo este um desafio presente em mais de 40 comunidades apenas na área de atuação do Sisar Ceará, impactando 28.000 pessoas, buscamos soluções que tratem a dureza elevada da água para instalação de um piloto na comunidade de Serra do Vieira, formada por cerca de 115 famílias.

Mais informações sobre este e os demais desafios estão disponíveis no Regulamento.

COMO FUNCIONA

ETAPA 1

Desenvolvedores de soluções de acesso e tratamento à agua apresentam suas soluções para os desafios identificados.

ETAPA 2

As soluções mais promissoras serão selecionadas a partir de uma avaliação realizada pelos parceiros do programa e um conjunto de especialistas. Nesse momento, os finalistas poderão dialogar com a equipe do Água+ Acesso e refinar suas propostas.

ETAPA 3

O programa Água+ Acesso poderá selecionar até 1 solução para cada desafio apresentado. As soluções selecionadas contarão com apoio, orientação e investimento financeiro para a implementação de pilotos em campo nas comunidades definidas pelos parceiros do Programa e Aliança Água+ Acesso.

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO

Buscamos soluções acessíveis e eficazes que possam gerar um amplo impacto social positivo. Neste contexto, são critérios de seleção:

  • Custos de Instalação e Operação: soluções economicamente acessíveis a comunidades de baixa renda, tanto em sua implementação quanto em sua operação e manutenção;

  • Eficácia de Impacto: soluções com alta capacidade de atender às demandas das pessoas das comunidades de forma continuada e sem danos ao meio ambiente;

  • Nível de complexidade: como serão implementadas em comunidades de baixa renda e, em muitos casos, distantes de centros urbanos, é fundamental que as soluções sejam de simples implementação, operação e manutenção;

  • Estágio de maturidade da solução: soluções que já estejam no mercado ou em estágios finais de desenvolvimento (protótipo já validado).

BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES

O Água+ Acesso busca impulsionar uma nova geração de soluções e modelos de alto impacto social para ampliar o acesso à água no Brasil.

Os vencedores contarão com apoio e investimento para implementar pilotos em campo com suas soluções em comunidades selecionadas pelos parceiros do Programa.

Como estes desafios são representativos e presentes em milhares de comunidades, as soluções selecionadas e bem avaliadas poderão futuramente impactar milhões de pessoas em todo o Brasil.

QUANDO ACONTECE

  • LANÇAMENTO
    DO PROGRAMA

    1º de junho de 2017

  • TÉRMINO DAS
    INSCRIÇÕES

    14 de julho de 2017

  • DIVULGAÇÃO
    DOS FINALISTAS

    21 de julho de 2017

  • DIVULGAÇÃO DOS
    VENCEDORES

    16 de agosto de 2017

  • IMPLEMENTAÇÃO DAS SOLUÇÕES
    NAS COMUNIDADES

    a partir da 2º quinzena de agosto de 2017

PARCEIROS

O Programa Água+ Acesso é realizado por uma aliança inédita que integra know how, capilaridade e recursos de empresas, fundações, inovadores e algumas das principais organizações de acesso à água no País para ampliar seu impacto e disseminar modelos bem-sucedidos em todo o Brasil.

  • CO-INVESTIDORES

    logo-instituto-coca-cola-brasil
    logo-banco-do-nordeste
  • ORGANIZAÇÕES DE APOIO

    logo-fundacao-avina
    logo-wtt
    logo-instituto-trata-brasil
  • ORGANIZAÇÕES DE ACESSO À ÁGUA

    logo-fundacao-amazonas-sustentavel
    logo-sisar-ceara
    logo-rede-sisar-centrais-BA
    logo-projeto-saude-alegria